::::: Central Sul de Jornais ::::: O MAIOR PORTAL DE JORNAIS :::::
 
::::: Central Sul de Jornais ::::: O MAIOR PORTAL DE JORNAIS :::::
Região Metropolitana
 
Escolha a cidade ou região para localizar
Jornais, Rádios, Prefeituras e ver notícias locais.
 
 












  A - | A +
Região Metropolitana
10/08/2016    Fonte: Assessoria de Comunicação da LBV/RS
GERAL
"Eu sou mãe e pai"

Conheça a história de Marlete e de Marlon, mãe e filho que, com o auxílio da LBV, vencem a doença que afeta as atividades motoras e neurológicas da criança.

A LBV na cidade está em constante transformação para oferecer condições cada vez melhores de amparar as famílias que passam pelos programas socioeducacionais oferecidos. Umas dessas famílias é a de Marlete da Rocha.

Marlete teve uma gravidez tranquila, mas nos primeiros meses após o nascimento de Marlon teve diagnóstico de que o menino possui uma doença genética, motora e neurológica. "Tinha dificuldade para pegar as coisas ele deixa cair, foram feitos vários exames e falaram que ele tinha esses probleminhas", disse a mãe.

No Brasil, toda pessoa com deficiência e sem condições de trabalhar tem direito ao Benefício de Prestação Continuada (BPC), uma renda mínima garantida pela lei. Marlete desconhecia esse direito até conhecer a LBV. Um salário mínimo foi a maior quantia que já havia recebido na vida. Indo atrás do sustento da casa, sempre trabalhou com dignidade como vendedora de balas, o faturamento diário de 21 reais faz Marlete desdobrar-se para garantir ao filho acesso para um tratamento de saúde adequado, alimentação e vestimenta.

Foi pela TV que conheceu o trabalho da Instituição e sentiu-se motivada a fazer parte desse atendimento. "Eu olhava só na TV, ai coloquei ele, ele adorou, brinca, dança, e se soltou mais, ele era muito parado. Ele custou a caminhar e custou a falar. Procurei vários médicos, achei que ele não ia conseguir andar", relatou Marlete.

Com o apoio da escola, aliado ao atendimento recebido no Centro Comunitário de Assistência Social da LBV, ela vê o desenvolvimento de Marlon acontecer: "ele começou a correr, a andar, a falar mais, a comer sozinho. Meu filho se sente bem lá eu gosto de lá, eu sou muito orgulhosa do meu filho".

Por tudo que recebe Marlete agradece, toda vez que o filho chega em casa com um novo ensinamento ela tem a certeza de que algo maior está reservado para os dois e sabe que poderá sempre contar com a Legião da Boa Vontade: "Muito obrigada, meu filho está muito bem lá e eu agradeço a LBV e as pessoas que ajudam". Informações: (53) 3278-3897 ou no www.lbv.org.

Nadiele Bortolin
Assessoria de Comunicação da LBV/RS


       

Leia Também:

 

::::: Central Sul de Jornais ::::: O MAIOR PORTAL DE JORNAIS :::::
::::: Central Sul de Jornais ::::: O MAIOR PORTAL DE JORNAIS :::::

 

Central Sul de Jornais - Todos os direitos reservados